Eles perdoam uma dívida de mais de 60.000 euros a um funcionário sevilhano

Eles perdoam a dívida de um oficial sevilhano e permitem que ele mantenha seu veículo como sua propriedade. O Tribunal Mercantil nº 1 de Sevilha encarregou-se de realizar este indulto.

A partir dessa resolução, esse vizinho pode começar do zero financeiramente e solicitar a saída imediata de todos os processos inadimplentes em que está inserido.

Os advogados da Associação de Assistência à Dívida foram encarregados de lidar com este caso com sucesso, alcançando a sentença em apenas 10 meses.

Nova Lei de Falências

Com a nova Lei de Falências, esse devedor pode ficar com seu único bem. Frequentemente, os servidores públicos têm mais facilidades para obter empréstimos do que outros perfis com renda menos estável. Neste caso, este sevilhano solicitou diferentes empréstimos, antecipando poder atendê-los num futuro próximo, mas sem saber que as condições e os juros iam ficar inacessíveis com a sua folha de pagamento dentro de alguns meses.

Mal se apercebendo da dívida deste responsável sevilhano acumulou créditos num total de 60.643,96 euros junto de diversas instituições financeiras. O problema surgiu quando, após a morte da mãe, que o ajudava a pagar as dívidas, ele teve que enfrentar os empréstimos apenas com a folha de pagamento. Apesar de o interessado ter tentado pagar o valor total da mensalidade, chegou o momento em que não conseguiu combiná-lo com as despesas básicas.

Antecipando que em pouco tempo esgotaria suas economias para pagar as mensalidades financeiras, em abril de 2022 resolveu buscar ajuda jurídica para refinanciar ou conseguir quitar a dívida amigavelmente. Foi então que os advogados da Associação de Assistência à Dívida, concretamente, Pepe Domínguez, após verificarem que reunia os requisitos para beneficiar da Lei da Segunda Chance, recomendaram-lhe que iniciasse o processo.

Um aspecto importante para este vizinho foi manter seu veículo propriedade após o processo. A nova Lei de Falências permite que esse bem seja excluído da liquidação, ou seja, permite que o devedor fique com ele, por possuir financiamento com reserva de propriedade que estava em dia com os pagamentos.

Convença um cliente de que ele perdoará suas dívidas

Em abril de 2020, esse devedor esperava que, para perdoar suas dívidas, primeiro teria que apresentar um plano de pagamento aos seus credores no cartório. Porém, justamente quando ele se preparava para marcar uma nomeação, foi aprovada a reforma da Lei da Segunda Chance, que agiliza os procedimentos e permite ignorar esse formalismo.

Apesar de ser uma notícia promissora na época, o advogado confessa que o devedor teve medo de mudar a estratégia e pedir diretamente a falência:

«Já é difícil por si só convencer um cliente de que vai perdoar as dívidas que lhe tiram o sono há anos, imagine quando daqui a alguns meses você o informar que o procedimento será ainda mais fácil e iremos à falência diretamente para solicitar este benefício. Felizmente, o devedor confiou em nosso bom trabalho e conseguimos, superando inclusive suas expectativas.

Requisitos estabelecidos pela Lei da Segunda Chance

Para beneficiar deste procedimento e poder perdoar a dívida deste oficial sevilhano, teve de cumprir uma série de requisitos básicos. São elas: a insolvência do interessado, ou seja, não possuir bens suficientes para saldar as dívidas, não ter antecedentes criminais socioeconômicos e não ter sido beneficiado pela Lei de Segunda Chance nos últimos cinco anos. Tudo isso se resume em que o requerente é um “devedor de boa fé”.

Uma vez verificadas estas condições, o juiz responsável pelo caso não teve dúvidas e perdoou a dívida devida a este funcionário sevilhano e todas as obrigações pendentes de pagamento até à data.

Esta resolução de 10 de fevereiro que concedeu o BEPI (Benefício de Isenção de Responsabilidade Insatisfeita) significou deixar este devedor livre para pagar 60.643,96 euros e manter o seu veículo próprio.

Desde então, os credores do já ex-devedor -entre eles, Banco Santander, Servicios Financieros Carrefour ou Bankinter- não poderão mais exigir dele o pagamento ou incluí-lo em processos de inadimplência.

Não é o primeiro caso em que a Associação de Assistência à Dívida consegue exonerar um funcionário, sendo esse perfil um dos mais comuns, pela facilidade de obtenção de crédito pré-aprovado. Todas as sentenças de exoneração desta entidade são de livre acesso em seu site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *